Patrícia Filler Amorim foi a 56ª presidente da história do Flamengo. Em 7 de dezembro de 2009, ela ganhou a eleição para a cadeira mais importante no Clube de Regatas do Flamengo e tornou-se a primeira mulher presidente do Mais Querido. Antes disso, Patrícia teve uma carreira nas piscinas do clube, sendo uma das grandes nadadoras que já representaram o Mengão.

Natação

Patrícia Amorim nasceu em 13 de fevereiro de 1969, no Rio de Janeiro, e começou cedo sua trajetória como nadadora. Iniciou no Botafogo com apenas três anos de idade, e posteriormente, em 1977, passou a nadar pelo Flamengo. Entre os anos de 1983 e 1989 superou 29 recordes sul-americanos na natação. 

A carreira dela é marcada pelas 28 vezes em que foi campeã brasileira nos 200, 400, 800 e 1.500 metros livres. Além disso, a nadadora quebrou a ausência feminina de 16 anos do Brasil nas olimpíadas indo aos Jogos de Seul, em 1988. Lá, Patrícia não chegou às finais, mas estabeleceu os recordes sul-americanos nos 200 e 400 metros livres. 

Presidência do Flamengo 

Embora tenha sido a primeira mulher na presidência e conseguido o feito da contratação de Ronaldinho Gaúcho, em 2011, a grande carreira que a nadadora teve no Flamengo foi de certa forma manchada com alguns escândalos que aconteceram enquanto ela era presidente do clube.

A contratação de Ronaldinho Gaúcho em 2011 foi surpreendente para a maioria dos torcedores. Foto: Alexandre Vidal

Da mesma forma que anunciou de forma eufórica a chegada de Zico como diretor executivo de futebol, viu a saída do maior ídolo pouco tempo depois, acusado sem provas pelo presidente do conselho fiscal, Leonardo Ribeiro, de usar o clube para fins pessoais envolvendo seus filhos e o CFZ. 

Em 2010, contratou Vagner Love para fazer a dupla de ataque com Adriano, porém, o Rubro-Negro foi eliminado na Libertadores nas quartas-de-final, perdeu a final do campeonato carioca para o Botafogo e lutou contra o rebaixamento no brasileiro sendo salvo apenas na última rodada.

Em 2011, apostou na dupla Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves, entretanto, os resultados em campo também não foram tão expressivos, com apenas a conquista do estadual daquele ano.

No ano seguinte, o futebol continuou sem resultados positivos, sendo eliminado da Libertadores e não conseguindo a vaga no ano seguinte. Várias trocas de técnicos aconteceram, Ronaldinho foi embora acionando um processo contra o clube, Adriano teve um contrato assinado e rescindido antes do final do ano. Enfim, uma série de decisões erradas em sua gestão no futebol.

Foto: Alexandre Vidal

Além disso, teve questões de dificuldade de relacionamento com seus próprios vice-presidentes e deixou a dívida financeira do Flamengo crescer. No dia das eleições, 03/12/2012, Patrícia Amorim perde para Bandeira de Mello, passando assim o cargo de presidente do Clube. Em 2013, o Conselho Deliberativo reprovou as contas de 2011 na gestão Patrícia Amorim e instalou uma comissão de inquérito para avaliá-las. A auditoria revelou um vazamento na piscina olímpica gerando um prejuízo mensal de R$ 500 mil e um desperdício de 6,5 mil litros diários.

Foto: Alexandre Vidal